A eterna briga entre as Coreias

A galera que esta sempre ligada nos jornais, sites de notícias e revistas, com certeza sabe que, no último dia 29 de março, a Coreia do Norte declarou reforço do estado de guerra com a Coreia do Sul, o que deixou o mundo todo em alerta para uma possível escalada militar na península coreana. Entretanto, o grande problema está relacionado às ameaças de ataques nucleares a territórios dos Estados Unidos, feitas pelo presidente Kim Jong-un.

 

Mas, vamos esclarecer melhor toda essa questão para aqueles que não estão muito por dentro do assunto. Senta que lá vem história!

 

A guerra entre Coreia do Sul e Coreia do Norte teve início em 1950 e, até hoje, ainda não foi encerrada. A base da discórdia entre os dois países é a dominação imperialista da península, pelo Japão, entre 1910 a 1945. Durante a II Guerra Mundial, o Japão foi derrotado na região, por interferência das forças armadas dos Estados Unidos e da antiga União Soviética (URSS) e, cada um dos países, passou a ter o controle sobre parte da península, dividida no paralelo 38°.

 Âñòðå÷à ïðåçèäåíòà ÐÔ Â. Ïóòèíà ñ ëèäåðîì ÊÍÄÐ Êèì ×åí Èðîì

Este acordo de dividir o território entre as duas superpotências, resultou na formação da República da Coreia do Sul, que estava sob o domínio norte americano, e a República Popular Democrática da Coreia do Norte, que tinha apoio dos soviéticos e dos chineses.

 

Guerra Fria

 

Logo que terminou a Segunda Grande Guerra, teve início a Guerra Fria e, juntamente com ela, a ascensão do poder do Partido Comunista Chinês, logo após a Revolução Chinesa de 1949, gerando conflito entre os dois países. Porém, o auge dos conflitos se deu quando o governo da Coreia do Norte decidiu invadir a Coreia do Sul, com o objetivo unificar os países, em 1950.

 revolução chinesa

Entretanto, o que ninguém sabia era que a Guerra da Coreia tomaria âmbito internacional, a partir da decisão do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) em intervir no conflito, contra os norte-coreanos e sob comando dos Estados Unidos. A URSS e a China, por sua vez, apoiaram as ações da Coreia do Norte e, todo esse conflito mostrava ao mundo a bipolarização das influências dos EUA e da União Soviética.

 

Suspensão da Guerra

 

Em 27 de julho de 1953, foi dada uma trégua à guerra, o que permitiu uma reaproximação das superpotências da época. Por outro lado, o Armistício de Panmunjon suspendeu a guerra, mas não colocou um fim nela. Podemos perceber isso, de forma clara, pois, em 2013, a guerra continua declarada.

 

Mas, voltando à suspensão da guerra, os rumos que os países tomaram foram opostos. A Coreia do Norte, por exemplo, foi governada por uma dinastia, conhecida como Dinastia Kim. Kim II-sung governou entre 1945 a 1994. Seu filho, Kim Jong-il,  o sucedeu, mas faleceu em 2011 e seu filho Kim Jong-un assumiu o poder.

 Kim_Jong-il_on_August_24,_2011

Graças à aproximação com a URSS, os norte-coreanos conseguiram suprir suas necessidades econômicas e militares. Mas, em 1991, com o fim da União Soviética, deu-se por encerrado o auxílio prestado, o que resultou em uma economia em declínio e com a falta de laços comerciais e diplomáticos com outros países além da China e da Rússia. Os gastos com armas aumentaram os problemas econômicos, resultando em péssimas condições de vida para a população geral, agravando a situação da fome.

 

Já a Coreia do Sul, desde a suspensão da guerra, enfrentou os problemas ditatorias e corruptos dos governos que foram assumindo o país, que foi marcado por diversos golpes militares, onde sempre enfatizavam a oposição ao país vizinho do Norte, para que pudessem se manter no poder.

 coreia do sul-1

A estabilidade política mais duradoura teve início no final da década de 1990. Na questão econômica, a Coreia do Sul teve ajuda dos países do capitalismo ocidental, em especial os EUA, que investiram na economia do país, trazendo um grande desenvolvimento econômico e social, o que os tornou um dos principais Tigres Asiáticos.

 

 

Coreia do Sul x Coreia do Norte

 

Os dois países, além das disputas já comentadas, também apresentam grande diferença entre suas economias e sociedades, que refletem o colapso da Guerra Fria. Isso porque o capitalismo dirigido pelos Estados Unidos se mostrou mais eficiente do o da URSS.

 

Porém, de forma contraditória, as relações entre as duas Coreias, durante a década de 2000, foram marcadas pela economia, de um lado, e pelo disputa militar, do outro.

 coreia do sul capital

O Parque Industrial Conjunto, em Kaesong, do lado norte-coreano da fronteira foi criado como exemplo de uma aproximação das Coreias. Capitalistas sul-coreanos foram responsáveis pelo financiamento do parque, que é composto por diversas indústrias. Grande parte delas são pequenas empresas sul-coreanas, que produzem roupas, calçados, relógios e utensílios de cozinha. Cerca 50.000 empregados norte-coreanos que trabalham no local.

O presidente Kim Jong-un, anunciou, no dia 03 de abril, que a entrada do parque seria fechada para os sul-coreanos.

 

A grande preocupação em relação aos conflitos, diz respeito às ações bélicas. No dia 12 de fevereiro de 2013, a Coreia do Norte anunciou ter realizado um teste nuclear, que teve resultado positivo, no campo de Punggye-ri, que fica no nordeste do país. Alguns meses antes, em 12 de dezembro de 2012, eles realizaram um teste com foguete espacial. Diante dos fatos, a ONU declarou novas punições ao país, no dia 07 de março de 2013.

Gyeongbok_Palace_main_attraction 

Porém, quem paga pelos atos do governo é a população, que terá piores condições sociais. A partir de então, a Coreia do Norte passou a ameaçar, diariamente, os Estados Unidos e a Coreia do Sul.

 

No início de abril, os norte-coreanos anunciaram reiniciar as atividades do reator nuclear Yonbyon. A torre de resfriamento foi destruída em 2007, mas o governo norte-coreano ameaçou dar inicia à reconstrução dela. Como resposta, o governo dos Estados Unidos decidiu enviar ao Pacífico dois navios de guerra, se mostrando pronto para um eventual ataque. 

coreia do sul

Compartilhar?

Comentários

Rafaela Kalina dos Santos

Muito Bom, o texto tem uma linguagem simples e informativa, o que facilitou muito o entendimento.

katia stabile santana

Muito Bom, o texto tem uma linguagem simples e informativa, o que facilitou muito o entendimento.

katia stabile santana

Bastante claro, meu filho vai adorar.